domingo, 20 de julho de 2008

A Fé, a Esperança e o Amor

Um dia, a Fé, a Esperança e o Amor saíram pelo mundo para ajudar os aflitos. Quem, dos três, seria capaz de realizar o melhor trabalho para a glória de Deus?

Á beira da Estrada da Vida encontraram um homem pobre que sofria desde nascença com uma doença que o fazia paralítico. Ele permanecia por muito tempo naquele lugar mendigando às almas caridosas a fim de obter o sustento para sobreviver.

Diante daquela situação, a Fé tomou a frente da Esperança e do Amor para resolver o caso. “Esperem aqui”, disse ela, “enquanto vou realizar minha obra na vida deste infeliz e arrancá-lo desta miserável situação”.

Sem mais delongas, a Fé levou ao homem a palavra de Deus e esta penetrou no coração dele. Imediatamente ele se rebelou contra a situação. Usando a fé que tinha agora no coração para determinar sua cura, ele orou e seus ossos e juntas tornaram-se firmes. Pela primeira vez ele ficou de pé e saltou de alegria!

“Estou livre! Estou livre!”, gritava com euforia. A Fé o havia libertado. Agora ele era um novo homem. Estava livre das algemas da doença e do sofrimento. Não precisava mais ficar á beira da estrada para mendigar, e muito menos padecer todas as dores de antes.

Que obra maravilhosa a Fé havia realizado! Porém, passadas as horas, o homem lembrou-se que não tinha para onde ir. Ele não tinha casa, não tinha amigos ou qualquer profissão que lhe desse condições de se estabelecer na vida. A única coisa que sabia fazer era mendigar pelo pão.
Neste momento, a Esperança sentiu que era chegada a sua vez de trabalhar. Ela o levou para o alto da montanha e fez com que ele visse os férteis campos da terra. Desta maneira, seu coração foi mudando e ele entendeu que podia prosperar. Movido pela força da Esperança, se pôs a caminho. Logo conseguiu emprego numa fazenda próxima, e rapidamente aprendeu a cultivar a terra. Em pouco tempo, tinha juntado o suficiente para comprar seu próprio campo.

Com fé e esperança, renovava suas forças a cada dia, e em poucos anos expandiu grandemente seus negócios. Suas colheitas eram exportadas em navios, alcançando portos em todo o mundo. Ele tinha muitos empregados e se tornou um dos homens mais ricos da Terra.

A Fé e a Esperança estavam satisfeitas com o maravilhoso trabalho que haviam produzido na vida daquele homem. Então disseram ao Amor: “Não te preocupes em realizar tua obra. Vês que, mudamos completamente a vida deste homem, fazendo-o forte e próspero”. Assim, o Amor partiu em busca de quem pudesse ajudar.

O homem continuou a crescer. Seu império foi se expandindo por todo o lado. Eram tantas as suas casas que muitas delas ele sequer conhecia. Viajou o mundo inteiro e não havia mais nada que lhe surpreendesse. Mas com o passar do tempo o homem foi ficando triste e enfastiado. “Tenho tudo o que um homem possa desejar”, dizia ele, “mas ainda me sinto vazio”.

A Fé e a Esperança perguntavam a si mesmas o que poderiam dar ao homem para torná-lo forte como antes. Ele agora tinha tudo o que a fé e a esperança podiam conquistar. Não precisava do milagre da cura nem de duvidar do sucesso de seu futuro, pois era muito rico.
“Quem poderá nos ajudar?”, pensavam elas. “Não queremos que a obra que realizamos na vida deste homem venha a desmoronar, porque grande será nossa ruína”.

Assim, as duas foram correndo em busca do Amor para pedir ajuda. O Amor voltou com elas e realizou a obra no coração daquele homem.
Ao sentir amor, ele passou a entender Deus e sua mais extraordinária obra. Começou a ver surgir em si próprio uma mudança completa, que lhe trouxe o desejo imenso de ter comunhão com Deus, e estes momentos eram agora muito mais importantes que tudo o que havia experimentado antes. Mais importantes que sua saúde ou sua prosperidade.

Surgiu também em sua vida a necessidade de ajudar outros que passavam pelos mesmos problemas ele havia passado. Assim, esquecia de si mesmo e se dedicava a servir ao próximo. A cada dia sua força aumentava. Sua motivação vinha do amor e da mudança que via na vida daqueles a quem ajudava.

Desta maneira encontrou a felicidade e nunca mais veio a perdê-la. A Fé e a Esperança entenderam que, embora suas obras tivessem sido de uma grandeza extraordinária , com o passar do tempo, sem o Amor, tudo perdia o sentido. A fé é rápida, a esperança permanece por mais tempo, mas o amor nunca acaba.

(Bispo Marcelo Crivella)

Nenhum comentário: